ecologia

A avaliação dos benefícios do uso de qualquer produto de isolamento térmico deve ser feita de um modo global, considerando todas as suas vertentes, nomeadamente:

• A produção / obtenção das matérias-primas;
• O fabrico do isolante térmico;
• O desempenho em obra, nomeadamente o nível de isolamento térmico proporcionado, ao longo de um período de vida útil considerado economicamente satisfatório;
• A remoção e a eliminação, ou a eventual recuperação, desses mesmos produtos após o fim da sua vida útil, ou da vida útil do edifício em que foram incluídos.

O aglomerado de cortiça expandida (ICB) deriva de uma matéria-prima totalmente natural e renovável - a cortiça - cuja extracção da árvore se enquadra no ciclo de vida desta.

A cultura do sobreiro não implica a delapidação ou a degradação do meio ambiente, não apresenta alguns aspectos ambientais negativos associados a outras culturas florestais destinadas a transformações industriais, contribui para a fixação de uma fauna natural variada e apoia diversas actividades de pastorícia, cinegéticas e outras.

Não se pode também ignorar o impacto económico e social que apresenta a nível quer nacional quer regional, contribuindo para a fixação de milhares de postos de trabalho no campo e a nível industrial. No fabrico do aglomerado de cortiça expandida incorporam-se matérias-primas provenientes de tratamentos culturais do montado, permitindo assim fechar o ciclo desta fileira florestal, bem como os restos e refugos não aproveitáveis no fabrico de outros produtos mais exigentes (rolhas, revestimentos e decorativos, por exemplo). Deste modo promove-se a utilização racional e sustentada de um recurso natural - a cortiça do sobreiro - contribuindo para a sua completa valorização, eliminando a existência de desperdícios ou de refugos indesejados por razões económicas ou ambientais.

A produção do aglomerado de cortiça expandida (ICB) utiliza apenas vapor de água aquecido, em geral recorrendo a geradores de vapor alimentados com os próprios resíduos da trituração e de acabamentos (pó de cortiça). No fabrico não se introduzem quaisquer aglutinantes, aditivos ou agentes de expansão externos à própria cortiça natural e eventualmente perigosos durante a aplicação, o uso ou após a remoção no final da vida útil.

Durante a aplicação não coloca problemas de segurança ou de saúde, devendo adoptar-se simplesmente as regras básicas relevantes de higiene e de segurança no trabalho.

Em condições normais de serviço, uma solução de isolamento térmico com base em placas ou grânulos de aglomerado de cortiça expandida (ICB), se convenientemente concebida e executada, desempenhará cabalmente as funções que lhe foram atribuídas - em particular a de assegurar o isolamento térmico de um edifício, de um equipamento ou de uma instalação - durante um período de vida bastante longo. Algumas recolhas realizadas em edifícios com mais de 70 anos mostraram que após esse período de tempo quer o aspecto quer as propriedades essenciais das placas de aglomerado de cortiça expandida se mantinham inalteradas.

No final do período de utilização do aglomerado de cortiça expandida (ICB), que muitas vezes será imposto pelo fim da vida útil do próprio edifício, quando seja viável a recolha isolada e integral das placas de ICB podem estas vir a ser reutilizadas em aplicações idênticas.

Nos casos em que tal não seja exequível (quebra das placas, "contaminação" com outros produtos), promove-se a sua trituração. Deste modo obtém-se um regranulado de cortiça expandida, destinado a novas aplicações em isolamento térmico, ou utilizado como inerte no fabrico de betões e de argamassas leves.

A cortiça é um sorvedouro de CO2, pelo que a utilização e reciclagem de cortiça mantém o CO2 sequestrado evitando a sua libertação para a atmosfera, contribuindo assim para um melhor ambiente.